Alunos de Medicina Veterinária fazem experimento com peixes regionais

Depois da pesquisa, peixes foram doados para o Lar dos Idosos

Os estudantes do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Marechal Rondon, chegaram ao final de mais um importante etapa do projeto de pesquisa na área da piscicultura.  O experimento com 180 peixes das espécies tambaqui e tambatinga levou em consideração diversos aspectos da produção.

O coordenador do projeto de pesquisa, professor Dr. Raycon Garcia, explicou que durante um ano, o ciclo de produção dos peixes, os alunos estiveram empenhados em monitorar a qualidade da água, o volume de água e os parâmetros: temperatura, pH, oxigênio, dureza, nitrito, nitrato e amônia. A alimentação dos peixes também foi realizada observando a densidade, a quantia de alevinos por metros quadrados. O professor destacou ainda que pesquisas como essa são importantes porque estabelecem novos parâmetros para a piscicultura na região, que é uma das áreas de grande desenvolvimento entre os produtores, principalmente com o tambaqui, o produto mais importante da piscicultura estadual.

Rondônia é o maior produtor de peixes nativos em cativeiro e o terceiro maior produtor do Brasil. De acordo com o anuário da Associação Brasileira da Piscicultura (Peixe BR 2021), a produção de peixes nativos em cativeiro em Rondônia em 2021 foi, em toneladas, de 65.500 mil, seguido de Mato Grosso com 42 mil, Maranhão 40.500 mil, Pará 24.900 mil e Amazonas 21.500 mil. A produção de tambaqui representa 90% da produção do Estado, seguido de jatuarana 6%, pintado 2% e pirarucu 2%. Rondônia hoje é líder na produção nacional de tambaqui.

Depois de realizar a despesca, o material cultivado por um ano teve ainda outra finalidade nobre: os peixes foram doados para o consumo dos internos no Lar dos Idosos Maria Tereza Da Lamarta, em Vilhena. Mas, antes passaram pela triagem realizadas pelos próprios estudantes, monitorados pelo professor do projeto.