Conheça mais sobre o novo curso da Faron: Engenharia Florestal

Há poucos dias do Vestibular Faron 2019, para quem está saíndo do Ensino Médio e não sabe que carreira seguir. Seguem mais informações que podem te ajudar a descobrir-se na Engenharia Florestal.

Este engenheiro estuda e promove a exploração sustentável de recursos florestais. Ele avalia o potencial de ecossistemas florestais e planeja seu aproveitamento sempre levando em consideração a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas e do bioma. Encarrega-se da seleção de sementes e mudas de plantas, identifica e classifica espécies vegetais e procura melhorar suas características, analisando as condições necessárias à sua adaptação ao meio ambiente. Elabora e acompanha projetos de preservação de parques e de reservas naturais e cuida de fazendas de reflorestamento.

Gerencia a produção de mudas, planeja a plantação e faz pesquisas voltadas ao melhoramento genético das espécies, em parceria com profissionais de biotecnologia. Também é sua atribuição recuperar áreas degradadas, cuidar da arborização urbana e avaliar o impacto ambiental de atividades humanas em uma determinada área. Este bacharel faz, ainda, vistorias, perícias e avaliações, emitindo laudos e pareceres. Em sua atuação, visa a garantir a segurança e minimizar impactos socioambientais. 

O que você pode fazer

Ecologia aplicada: estudar e administrar parques ecológicos e reservas florestais e gerenciar processos de exploração que preservem os recursos naturais. Recuperar áreas ambientalmente degradadas.

Educação: realizar atividades de educação ambiental e ecoturismo, incentivando as ações de preservação da biodiversidade da fauna e da fora.

Fiscalização: supervisionar empresas que utilizem em suas operações produtos de origem florestal, como usinas termelétricas a carvão, indústrias que utilizem lenha e empreendimentos do setor siderúrgico.

Manejo florestal: elaborar, promover e supervisionar projetos de reflorestamento das espécies arbóreas para aumentar sua produtividade. Pesquisar sementes e o melhoramento genético da vegetação.

Tecnologia de produtos florestais: pesquisar e desenvolver tecnologias para o aproveitamento, a extração e a industrialização de madeiras e de outros produtos da floresta, como óleos essenciais e resinas.

Mercado de Trabalho

O mercado está favorável para o engenheiro florestal. A preocupação crescente com a sustentabilidade e o meio ambiente eleva a procura pelo bacharel.

Pesquisa da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) mostrou que as emissões de carbono no mundo em função do desmatamento caíram 25%, passando de 3,9 para 2,9 gigatoneladas por ano entre 2001 e 2015 (último ano com dados disponíveis). O Brasil, segundo a FAO, respondeu por mais de 50% dessa redução.

Com isso, o país atinge as metas assumidas para a redução das emissões de carbono e cria um campo promissor para o engenheiro e o tecnólogo em Silvicultura, que se dedicam a orientar a extração de madeira, com técnicas de menor impacto.

A crise hídrica que afeta, em maior ou menor grau, diversos estados do país também aumenta a demanda pelo graduado nesta área, devido à sua capacidade de atuar na gestão dos recursos naturais.

Outro setor com boa demanda é o de fiscalização ambiental e reflorestamento. Neste último, ele encontra espaço na indústria de papel e celulose. Órgãos públicos, como o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), contratam por concurso público.

A implantação de novos empreendimentos no Nordeste e no Centro-Oeste também promete abrir vagas. No interior dos estados – inclusive no Sul e no Sudeste – há demanda para atuação em extensão rural, planejamento e consultoria.